Sob Trilhos


Desta vez escolhi o isolamento. Não total, mas parcial. Quando desacompanhado, posso observar sem vícios, agir sem julgamentos e capturar as verdadeiras relações.

Viajar sozinho é revelador. Cada pessoa, cada experiência e cada lugar é igualmente passageiro em sua jornada. Desta maneira, carrego tudo o que compartilho. Com eles, com tudo.

A vida é mesmo, metaforicamente, como um trem. Em movimento, passamos por cidades, túneis escuros, paisagens encantadoras e, às vezes, o que vemos pela janela é nosso próprio reflexo.

Não há foto ou vídeo que retrate a sensação vivida em cada momento. O que mais chegará perto disso será a nostálgica memória.

Dirijo-me agora a Berlin. Após uma agradável noite em Frankfurt. Ah, Frankfurt! Sua doce e amigável noite me surpreendeu tanto.

Um dia ainda peço ajuda à ciência. Para que provem o poder massivo que resulta da concentração de pessoas com boas energias e sorrindo. É contagiante.

A cada minuto que entro no meu isolamento, tenho a sensação de estar soltando de mim cargas internas. Talvez medo, padrões ou certezas.

A cada pessoa que vejo passar pela janela, percebo que ela também tem uma vida repleta de histórias, como eu. E isso já deveria ser suficiente para dar a ela o máximo de respeito e amor.

Como é grande o mundo! Que saudade eu tinha de sentir essa pequena importância.

Obrigado à sempre linda Alemanha. Por me receber, encantar e ensinar.

(Marcelo Penteado)

Anúncios

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

2 Respostas para “Sob Trilhos

  1. “A vida é mesmo, metaforicamente, como um trem.” Uma contundente verdade encarcerada nessas palavras. Tanta profundidade em meio a muita simplicidade. O encanto está na simplicidade. Sempre que leio sua arte, lembro-me de outras… tão cristalinas e reflexivas… arte, apenas.
    A Viagem
    Quem é alguém que caminha
    Toda a manhã com tristeza
    Dentro de minhas roupas, perdido
    Além do sonho e da rua?

    Das roupas que vão crescendo
    Como se levassem nos bolsos
    Doces geografias, pensamentos
    De além do sonho e da rua?

    Alguém a cada momento
    Vem morrer no longe horizonte
    Do meu quarto, onde esse alguém
    É vento, barco, continente.

    Alguém me diz toda a noite
    Coisas em voz que não ouço.
    – Falemos na viagem, eu lembro.
    Alguém me fala na viagem.

    In “O engenheiro”, 1945.
    João Cabral de Mello Neto

    Márcia Moraes

    Curtir

  2. Aaaaahhhh, você conheceu a Alemanha! Meu segundo lar …

    Curtir

Minha vez de ler: deixe um comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
agosto 2013
S T Q Q S S D
    set »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
%d blogueiros gostam disto: