De repente, Barcelona


Barcelona, 2013

De repente, Barcelona.

Barcelona não é nada fácil de explicar. Uma atmosfera urbana envolta por modernidade e vielas carregadas de histórias.

Barcelona é sombria pra quem tem medo. É uma interação contínua, um desafio constante. Um teste quase que de coragem e direção. Um labirinto gostoso de se perder.

De repente, entre o silêncio de becos escuros, uma praça. Com suas charmosas mesas e tendas na calçada, gargalhadas e excelência culinária.

Em suas terrazas o tempo parece passar mais devagar. De forma quase que hipnótica, o momento parece te exigir mais atenção, seja pela paisagem, pelas pessoas ou pela excelente pedida que se encontra em sua mesa.

A temperatura agradabilíssima é um convite às ruas. Pessoas e mais pessoas contribuem para a atmosfera que se forma em verdadeiras clareiras urbanas, protegidas por vielas que afastam todos aqueles que não se permitem aventurar.

Mas Barcelona só é sombria por fora. Na verdade, ela tem uma vontade ardente de ser vivida. É uma sedução constante para aqueles que gostam de surpresas. Ela recompensa os bem-aventurados.

A cada esquerda surgem novas direitas e no horizonte de cada travessia há mais curvas que retas.

Das varandas coloniais à arquitetura de pedra, Barcelona tem na sua forma de acolher uma sensível brutalidade, que é mais bem entendida quando não julgada.

Ao contrário de outros lugares, não reconheço Barcelona pelo nome de suas estreitas ruas. A cada momento traço um novo caminho e ele sempre está certo. Uma infinidade de destinos e escolhas. Uma cidade de aventuras e não de memórias.

(Marcelo Penteado)

Anúncios

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

2 Respostas para “De repente, Barcelona

  1. “A cada momento traço um novo caminho e ele sempre está certo. Uma infinidade de destinos e escolhas. Uma cidade de aventuras e não de memórias.” Busquei neste admirável poeta espanhol, Garcia Lorca, contemporâneo de Buñuel e Dali, o toque surrealista que sinto em suas palavras: “Uma cidade de aventuras e não de memórias.” A cada texto digerido, um novo aprendizado, o “gosto” da mudança.
    “(…)
    Yo no podré quejarme
    si no encontré lo que buscaba;
    pero me iré al primer paisaje de humedades y latidos
    para entender que lo que busco tendrá su blanco de alegría
    cuando yo vuele mezclado con el amor y las arenas.

    Vuelo fresco de siempre sobre lechos vacíos,
    sobre grupos de brisas y barcos encallados.
    Tropiezo vacilante por la dura eternidad fija
    y amor al fin sin alba. Amor, ¡Amor visible!”

    Edem Mills, Vermont. 24 de agosto de 1929.

    CIELO VIVO de Garcia Lorca

    Márcia Moraes

    Curtir

  2. Alessia

    “La sombra del viento” de Carlos Ruiz Zafon, tienes que leerlo cuando estés la próxima vez en Barcelona. Te va a encantar y te perderás en el libro y en las callejas de tu Barcelona!

    Curtir

Minha vez de ler: deixe um comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
agosto 2013
S T Q Q S S D
    set »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
%d blogueiros gostam disto: