Berlim


Berlim, 2013

O que é Berlim se não uma própria indefinição?

Não que me faltem palavras – ao contrário – sobrariam.

Uma cidade anfitriã à sensibilidade daqueles que são passageiros. Que flertam com o que não é definitivo.

Um local onde os porquês não se explicam, se fazem sentir.

O que é Berlim se não uma cidade além de qualquer descrição?

Sua própria história tem diferentes versadores, becos e lacunas. Quem sou eu para contá-la?

Tentar explicar Berlim é um labirinto de sabotagens.

Berlim tem a ver com sentidos. Sua beleza é mais que artística, é poética.

Se Berlim pudesse falar, talvez ficasse calada. Em seu silêncio, já o comunica suficiente.

Pois,

O que é Berlim se não a própria vida após a morte?

Uma eterna reconstrução. Berlim tem no silêncio de suas ruínas um grito de independência.

É um manifesto sombrio de luz e autorreflexão – coração e alma da própria história.

Talvez, entre idas e vindas, a alma de Berlim acostumou-se a ser livre e, entre poucos momentos, eu pude tocá-la.

(Marcelo Penteado)

Anúncios

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

Uma resposta para “Berlim

  1. Márcia Moraes

    Leio seu texto. Berlim. A que lembranças esse texto remete? Algumas. Lembrança é sempre “rotulada”: boa ou doída. Sua percepção desta cidade é uma poesia. Seu texto é leve. Faz com que tenhamos vontade de estar em Berlim. Viver Berlim. Vc deve ter se deparado com incríveis grafites: “Berlim tem a ver com sentidos. Sua beleza é mais que artística, é poética.” Mas, como todos os tempos, momentos, não são só de flores, lá está o Vinícius de Moraes a falar de uma Berlim que só conhecemos pela História:

    A Berlim

    Vós os vereis surgir da aurora mansa
    Firmes na marcha e uníssonos no brado
    Os heróicos demônios da vingança
    Que vos perseguem desde Stalingrado.

    As mãos queimadas do fuzil candente
    As vestes podres de granizo e lama
    Vós os vereis surgir subitamente
    Aos heróicos prosélitos do Drama.

    De início mancha tateante e informe
    Crescendo às sombras da manhã exangue
    Logo o vereis se erguer, o Russo enorme
    Sob um sol rubro como um punho em sangue.

    E ao seu avanço há de ruir a Porta
    De Brandemburgo, e hão de calar os cães
    E então hás de escutar, Cidade Morta
    O silêncio das vozes alemãs.

    Rio de Janeiro, 03.02.1945

    Marcelo, mais um texto. Mais uma “poesia”. Mais um encantamento por palavras bem pontuadas. És autor pronto, como Vinícius.

    Curtir

Minha vez de ler: deixe um comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
setembro 2013
S T Q Q S S D
« ago   out »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
%d blogueiros gostam disto: