Eu curto, tu curtes, a vida encurta


Palma de Mallorca, 2013

Ou não percebi que a vida trocou suas roupas ou eu ando meio offlline demais.

Meus valores entraram em coma e os tempos se desenham confusos. Costumava acreditar que compartilhar significava doar. No meu viver, o que eu curtia pouco tinha a ver com o que aos outros eu demostrava.

Então algo aconteceu.

Publicar tornou-se um divisor de águas. Um selo que autentica e desqualifica a própria vida. Uma projeção irreal de doces mentiras. A privacidade virou clichê.

Parece que a vida ganhou novos planos. A felicidade agora não se contenta mais com o momento. Ela é vaidosa, precisa ser vista por outros olhos, comentadas por outras bocas. Quer expandir-se a cada curtida. O que antes era fato, hoje é foto.

Temo que desaprendi algumas velhas maneiras.

Em tempos de exposição, o sorriso é pop. Reflete o flash enquanto a pose não perde tempo. Somos a versão editada e replicada de nós mesmos. Nos aplicamos filtros e nos definimos em poucas palavras. Micro caracteres ansiando por macro exposição.

Amizades agora se solicitam. E, assim, se aceitam! Pessoas reduzem-se a nomes; contatos reduzem-se a cliques; relacionamentos através de conexões invisíveis. Eu sigo, tu segues – onde vamos parar?

Agora posso saber de tudo. Por onde anda, com quem estava e quando foi. O massacre da curiosidade esvazia o valor das perguntas. Se o olho passa a fiscalizar tantos fatos, para que vai olhar em outros olhos?

E nada para.

A angústia é em real time porque sempre há alguém fazendo questão de vociferar si mesmo. A vida virou uma feira e cada qual com seu stand propagando seus eventos. Um leilão de felicidade medido por votos de inveja branca.

Pior, nossa biografia em constante construção é continuamente avaliada. Podemos ser aprovados ou menos acolhidos. Nosso sentimento de pertencimento passa a ser guiado pela repercussão das nossas difusões virtuais. Uma “tabloidização” das mais vulgares da vida regular.

E assim a vida tem seguido. Reduzida às curtidas. Encurtando-se. Roteirizando-se por caminhos de vidro. Uma transparência maquiada, explanações dissimuladas e inconvenientes.

Neste reino de aparências o ego e a vaidade se travestem de alegria.

A felicidade tornou-se um espetáculo, que tem prazer em se exibir. Um teatro vago e lamentável. Insuportável. Mas que vivência mais tangível!

Ou, de repente, a vida realmente trocou suas medidas ou, de fato, ando offline demais.

(Marcelo Penteado)

Anúncios

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

9 Respostas para “Eu curto, tu curtes, a vida encurta

  1. Sérgia de Lima Juraski

    Pode-se encontrar amigos de quem nada se sabia há “aníssimos”? Claro. Podemos ser, de repente não mais que de repente, conectados por pedidos de “amizade” de “paqueras” (palavrinha antiga, arcaica demodé) e outros que tais? Claro. Mas, por outro lado, fica-se sabendo de situações que não nos interessam a mínima: quem almoçou onde, quem fez “academia”, quem tá pegando quem, isso sem mencionarmos as “correntes” de fé, de ganho de dinheiro fácil, de ajuda a desaparecidos… E você percebe que suas tentativas de por um pouquinho de fermento (leitura de textos, assistir performances, pensar sobre situações curiosas) nessa massa que rola aí não encontra respaldo (curtir, comentar, compartilhar) da parte de ninguém. Na verdade, Marcelo, essas mídias sociais são os “quinze minutos de fama” da imensa (mas, “bota imensa nisso”) maioria das pessoas.

    Curtir

  2. Karine

    Tem sua exceções na maneira como aproveitar as modernas ” ferramentas sociais ” . Aos 35 anos encontrei amigas que sempre me recordei que nao nos víamos há 15 … Pois ate então nao havia internet , câmeras digitais e tal narcisismo e vouverimos pela vida alheia .
    Mas ainda esta a essência e a mesma .. Uma carta escrita a mão , um cartão postal na caixa de correio … São surpresas agradáveis e memoráveis . O que vale e a essência do seu ser e nao esses completos tecnológicos … Seus textos e crônicas são lindos , sensível , sinceros e bem escritos …

    Curtir

  3. Este autor está sempre a nos surpreender, com inusitadas e bem pontuadas reflexões, contemporaneamente, entrelaçadas:” Costumava acreditar que compartilhar significava doar. No meu viver, o que eu curtia pouco tinha a ver com o que aos outros eu demonstrava.(…) Ou, de repente, a vida realmente trocou suas medidas ou, de fato, ando offline demais.”
    Esse texto precisa de uma “trilha sonora”, irreverente, que nos possibilite avaliar as conquistas que o passado cristalizou, nas evasivas modernidades do presente, construindo, talvez, um descartável futuro… não sei?… será que é o que queremos?!… a cada um a responsabilidade de suas escolhas.
    Pela Internet
    Gilberto Gil

    Criar meu web site
    Fazer minha home-page
    Com quantos gigabytes
    Se faz uma jangada
    Um barco que veleje

    Que veleje nesse infomar
    Que aproveite a vazante da infomaré
    Que leve um oriki do meu velho orixá
    Ao porto de um disquete de um micro em Taipé

    Um barco que veleje nesse infomar
    Que aproveite a vazante da infomaré
    Que leve meu e-mail até Calcutá
    Depois de um hot-link
    Num site de Helsinque
    Para abastecer

    Eu quero entrar na rede
    Promover um debate
    Juntar via Internet
    Um grupo de tietes de Connecticut

    De Connecticut acessar
    O chefe da milícia de Milão
    Um hacker mafioso acaba de soltar
    Um vírus pra atacar programas no Japão

    Eu quero entrar na rede pra contactar
    Os lares do Nepal, os bares do Gabão
    Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular
    Que lá na Praça Onze tem um videopôquer para se jogar

    Curtir

  4. Roberta

    Marcelo , incrível sua capacidade e sensibilidade em externar a superficidade cotidiana de vidas. Me toca muito… sempre que evidencia os valores que a vida nos oferece para ser vivida intensamente, que estão sendo atropelados. Como sempre excelente texto.

    Curtir

  5. Simone Silva

    Sensibilidade!!! É isso tudo que vivemos e sentimos e por vezes não conseguimos ver com esses olhos ou expressar em palavras como vc! PARABENSSSSSSSSSSS PELO TEXTO! Deus o abençoe mais e mais…

    Curtir

  6. eneida

    Como posso segui-lo ou ver suas publicacoes pelo face?

    Curtir

  7. Jovimari

    Muito 10!
    Off ou On você aparece, escreve, eu descubro, leio, penso; você transmite e eu reflito!
    E então eu aplaudo seus escritos, ou seria curto?!
    😉

    Curtir

  8. TonyBR

    Compreendo e compartilho sua visão. Mesma sensação de desgosto, seguida de desprezo. Entretanto, aprendi que a ferramenta nunca é “a culpada”! A culpa está nas mãos de quem as usa de forma vazia, pobre (de espírito)….

    Curtir

Minha vez de ler: deixe um comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
outubro 2013
S T Q Q S S D
« set   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
%d blogueiros gostam disto: