sigoescrevendo

Um manifesto de palavras sob a regência de cada momento.



Paris, 2013

Imagina se um dia sua sinceridade acorda de mau humor.

Resolve romper este silêncio reprimido que o império da convivência social impõe sobre as suas próprias fronteiras.

Imagina, que no teatro da sua vida, a sua sinceridade cansou de ser a árvore no fundo do palco. Em meio ao espetáculo de palmas forçadas, imagina se ela se cansa e, no refrão da música, resolve abandonar.

Quando a sinceridade chegasse ao camarim, tomaria um susto ao não se enxergar no espelho. Irreconhecível. Estaria ela camuflada, maquiada, com seus movimentos programados. A fantasia que lhe vestia era o cárcere que lhe privara. Eram tantas raízes que sequer podia andar.

Logo a demagogia viria tentar convencê-la a repensar. Aquela conversa morna, tendenciosa e frívola. Argumentos que, de tão enferrujados, infeccionam as vontades mais sinceras como tétano e submetem o arbítrio a uma coerção comportamental.

Agora imagina que sua sinceridade está obstinada. Suponha que ela tenha conseguido resistir e passou a apenas desejar “bom dia” para os verdadeiros bons dias.

Se o dia pudesse falar – imagina – será que ele não agradeceria à sinceridade por ter sido, finalmente, tão decente?

Assim, pouco a pouco, ela ganharia força, confiança. Promoveria discursos inflamados; incitaria as vontades mais sufocadas. Não demoraria muito para que sua sinceridade lutasse, também, por você.

Sua influência e integridade liderariam uma verdadeira cruzada. Ela conduziria uma marcha de libertação e invadiria seu coração com a ideologia das boas verdades, expulsando angústias, desapossando mentiras e alforriando lágrimas.

E se tudo isso acontecesse, tão real quanto agora, não lhe agradeceria a felicidade por tornares tu a mais crível das companhias?

(Marcelo Penteado)


5 respostas para “Imagina”

  1. Vou ver se há novidades. Encontro esse texto, impecável. Começo: “Imagina se um dia sua sinceridade acorda de mau humor. Resolve romper este silêncio reprimido que o império da convivência social impõe sobre as suas próprias fronteiras.” Dou asas ao meu deslumbramento e ao final me surpreendo:” E se tudo isso acontecesse, tão real quanto agora, não lhe agradeceria a felicidade por tornares tu a mais crível das companhias?” Marcelo, és um “encantador de palavras”. Um autor pronto. Meus elogios estão caindo na mesmice das repetições. Mas? O que falta para que possa encontrá-lo, em formato de livro, nas livrarias do mundo, em meio a Clarice Lispector, Ana Munro, Machado de Assis… Preciso buscar quem fale por mim. Encontro identidade em Mia Couto, para parabenizar mais essa obra, que acabas de nos presentear: “Imagina”. Parafraseando, creio que novamente, num outro formato, uma de suas seguidoras: sigassempreescrevendo… sigamossemprelendorelendo…

    SER, PARECER

    Entre o desejo de ser
    e o receio de parecer
    o tormento da hora cindida

    Na desordem do sangue
    a aventura de sermos nós
    restitui-nos ao ser
    que fazemos de conta que somos.

    Mia Couto

    abraços,

    Márcia Moraes

    Curtir

Deixe uma resposta para Thais Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: