Sobre minha conversa com o mundo


Suiça, 2013

Vou te contar o que acontece comigo quando olho para um mapa: vejo histórias sem fronteiras.

Enxergo sorrisos, revejo amigos e lembro-me de paisagens que pude tocar. Imagino como a vida anda naquela esquina ou se aquele mágico ainda está naquela fonte, brincando de encantar vidas.

Vejo países e encontro-me com pessoas em minha memória. Aquela voz; o sotaque. O calor do abraço que o tempo não apaga. O som inconfundível daquele sorriso, naquela situação. Quase me senti lá, de novo.

Olho para meu mochilão e escuto seu chamado. Sim, eu também quero passear. Também me sinto empoeirado e não aguento mais ficar murcho, neste canto de mundo. Esta parede gelada, este armário pra lá de imponente.

Um segredo? Aqui também não é meu lugar.

Aliás, antes o cansaço de uma viagem ao desconforto de uma rotina vazia.

Penso neste imenso globo azul e invejo sua constante rotação. Tenho ciúmes. Igualmente gostaria de ver o Sol de diferentes pontos. Voltar a ser regido por movimentos imprevistos: estar por aí!

Quando um vento me descobre por alguma janela, a vontade é de perguntar-lhe por onde andou. “Como vai o lado de lá?”. Saudades de um tempo em que era leve o suficiente para poder pedir uma carona.

Saudades de ter tudo o que preciso dentro de uma mochila e ainda sentir ter mais espaço para ser preenchido que qualquer casa de vastos metros quadrados. Cheio de vida, vazio de críticas. Encantadoramente entusiasmado.

Viver sob o regime do não saber: o lugar do almoço, a comida do prato, a companhia por perto.

“Que horas são mesmo?”, perguntar por perguntar. A incerteza é o maior estímulo para a vontade de se abrir. Oferecer boas vindas às infinitas possibilidades.

Ser grato de verdade. Pedir informações e agradecer de coração. Sentir-se presente, em meio ao momento único de construção da própria história.

Quando viajo por aí, não sei, teimo em me perguntar por que adiei tanto essa decisão. A vida ordinária me oferece dezenas de âncoras. Não está certo sentir-se leve apenas quando não está pesado. A leveza não é necessariamente um oposto ao peso. A leveza é um estado de elevação.

Quanto fica para trás! A verdadeira experiência tira mais que fotos. Saca, também, espaços. Reorganiza sentimentos e redesenha outros tantos contornos – externos e internos.

Quando converso com a estrada, me perco. Escuto, observo, aprendo. E, no fim, onde quer que chegue, renovo minha certeza que viajar é a melhor maneira de reinventar-se.

 (Marcelo Penteado)

Anúncios

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

10 Respostas para “Sobre minha conversa com o mundo

  1. Gabriela

    Você é simplesmente sensacional!

    Curtir

  2. Como sempre bom, bom como sempre ! 😀

    Curtir

  3. catia marise alves

    É delicioso demais viajar nos seus textos. Grta

    Curtir

  4. angela

    quanta inspiração!!! lindo texto!

    Curtir

  5. Ana Silva

    Que texto lindo. Adorei, dá uma vontade enorme de abraçar o mundo…

    Curtir

  6. Pedro Libardoni

    Não sei como, mas cheguei aqui. A cada linha do texto eu lembrava de alguma viagem minha.

    Quando chego no final vejo que o texto é teu Marcelo, PORRA! ahahah que coincidencia ahaha

    Tirou onda, texto é incrivel. Ja recomendei pra uma galera! Parabens!

    Tamo junto, bjs!

    Curtir

  7. Sérgia de Lima Juraski

    “…antes o cansaço de uma viagem ao desconforto de uma rotina vazia.” “…viajar é a melhor maneira de reinventar-se.” E voltar para casa, após uma viagem, é descobrir de novo quão gostoso é nosso cantinho. Um cantinho que, daí a algum tempo, vai nos encher de rotina e desejo de “…oferecer boas vindas às infinitas possibilidades.” Como você também amo viajar. Porque cresço, me aprendo, me entendo, me sinto parte de tudo e todos.

    Curtir

  8. Outro texto. Outra proposta. Várias propostas em meio ao mesmo texto. Viajar? Quantas possibilidades semânticas essa palavras encerra? Muitas. Creio que pode ser esta uma dais infinitas razões de apreciares tanto “viajar”… nos espaços, no tempo, na imaginação, no seu ser… sem fronteiras, sem limites, sem amarras, sem…
    “Quando converso com a estrada, me perco. Escuto, observo, aprendo. E, no fim, onde quer que chegue, renovo minha certeza que viajar é a melhor maneira de reinventar-se.”
    Cidadão do mundo… da própria existência…”reinventar-se”…

    “De janela, o mundo até parece o meu quintal
    Viajar,no fundo,é ver que é igual
    O drama que mora em cada um de nós
    Descobrir no longe o que já estava em nossas mãos
    Minha vida brasileira é uma vida universal
    É o mesmo sonho,é o mesmo amor
    Traduzido para tudo o que o humano for
    Olhar o mundo é conhecer
    Tudo o que eu já teria de saber
    Cidadão do mundo eu sou
    Estrangeiro eu não vou ser “
    Milton Nascimento e Fernando Brant

    Curtir

  9. Elaine Alves de Souza

    Boa noite!!!
    Você simplesmente descreve de forma exata os meus sentimentos quando fala sobre viagens, Amooooooooo!!!
    Obrigada!

    Curtir

Minha vez de ler: deixe um comentário! ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
outubro 2013
S T Q Q S S D
« set   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
%d blogueiros gostam disto: