Viés


Madrid, 2013

Janelas ainda abertas, projetos inacabados. O sorriso sarcástico do prazo. Companhia inesquecível. Um dedo de café na xícara. Nem mais nem menos que isso. Frio. A sobra daquilo que já foi quente. Tal qual o último suspiro daquele que reflete o espelho.

Olheira sendo convidada a ficar depois do combinado. Carreatas e mais carreatas de sono chegando sem parar. Bocejos desesperados. Se eles não forem ouvidos, o cansaço falará.

A mesa escuta lamentações enquanto a parede consola. Porções de papéis envolvem o ambiente. Não se desenvolvem. Não são fluídos. Não passam de rascunhos.

Fios, carregadores e tantas outras coisas. Tampas de caneta viram passatempo. Canetas estas que, às vezes, nem mais escrevem. Pontas cansadas, quase sem tinta. Um corpo sem ânimo. Soa familiar.

A roda, que já foi a maior invenção da humanidade, limita-se a sustentar uma cadeira tão previsível. Um pouquinho para lá; um pouco para cá. Movimentos circulares que não levam a lugar nenhum.

Geralmente, sempre por perto, o ponteiro do relógio é o chicote dos novos tempos. Se perceber, inclusive, faz barulho também. A dor, no entanto, é moderna. Ansiedade, angústia, preocupação. Nada físico.

Ao alcance das mãos, está o celular. É o portal que sempre prova que há vida ativa em algum outro lugar que não o seu. Uma esperança ou um castigo?

Resultados, objetivos e metas. Muita pressão para pouco prazer. Orgulho de concluir e não de criar. Se entrarmos no campo dos valores, tudo termina em preço. Melhor terminar por aqui.

 (Marcelo Penteado)

Sobre Marcelo Penteado

My writing may speaks for me: https://www.facebook.com/sigoescrevendo

3 Respostas para “Viés

  1. “Viés”… análise que não respeite os princípios da imparcialidade. Muito interessante esse título. Adequado. Texto por demais provocante. Seduz o leitor, meio interlocutor, a lê-lo, várias vezes e se envolver na imensa parcial imparcialidade, profundamente sedutora. Aí… chego neste momento de tão encantadora obra: “Geralmente, sempre por perto, o ponteiro do relógio é o chicote dos novos tempos. Se perceber, inclusive, faz barulho também. A dor, no entanto, é moderna. Ansiedade, angústia, preocupação. Nada físico.”

    Como não se identificar.

    Como sou alma leitora, surge Caeiro, nítido, translúcido, como a alfinetar minha existência… «O que é a realidade? Eu quero só a realidade, as coisas sem presente.»

    Vive, dizes, no presente,
    Vive só no presente.

    Mas eu não quero o presente, quero a realidade;
    Quero as cousas que existem, não o tempo que as mede.

    O que é o presente?
    É uma cousa relativa ao passado e ao futuro.
    É uma cousa que existe em virtude de outras cousas existirem.
    Eu quero só a realidade, as cousas sem presente.

    Não quero incluir o tempo no meu esquema.
    Não quero pensar nas cousas como presentes; quero pensar nelas
    como cousas.

    Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.

    Eu nem por reais as devia tratar.
    Eu não as devia tratar por nada.

    Eu devia vê-las, apenas vê-las;
    Vê-las até não poder pensar nelas,
    Vê-las sem tempo, nem espaço,
    Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê.
    É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.

    Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”

    Curtir

  2. luisa

    Puta que pariu (desculpe o termo) que texto!

    Curtir

  3. Perfeito como sempre! me identifico muito com teus textos! Obrigada

    Curtir

Deixe uma resposta para luisa Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
novembro 2013
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
%d blogueiros gostam disto: