Filosofia sobre viagem


 

2015, São Paulo

2015, São Paulo

Gosto de viajar por ser uma experiência que, para começar, é preciso sair.

Um exercício de deixar, um exercício de se abrir. Por excesso de naturalidade, uma experiência transitória.

Viajar pressente atitude destemida.

Sensibiliza o olhar a fazer mais de uma pergunta antes de dizer o que viu. Com o tempo, ora apelidado de bagagem, fala-se mais até à nossa mente e menos pro mundo de fora.

É tão melhor permitir ao mundo nos ter algo a dizer.

A viagem entrega à vida um sentido de estar. O valor de ter existido sob diversas combinações e ter convivido com outras influências culturais, em outro tempo presente. Perceber que colecionar momentos é também um tipo de riqueza ao alcance de nossas escolhas.

Através das viagens, acréscimos. Do mais que vejo, menos falo e tanto ouço. Bagunço o que eu sinto e entendo outros entendimentos.

Diferente da maioria das experiências, sua lógica nasce diferente – da saída ao início, do momento ao recomeço. Reconstrução. A mente se reabastece de diferentes percepções apresentadas no caminho. E em cada parada também.

(Marcelo Penteado)

Anúncios

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
outubro 2015
S T Q Q S S D
« mar   nov »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
%d blogueiros gostam disto: