Ciclos


Durante muitos, muitos anos, internamente desejei ter clareza.

Parecia-me uma jornada nobre, ascendente, de evolução do meu ser.

A cada virada de ciclo, reforçava os meus votos para alcançar mais discernimento em meus pensamentos, nas minhas escolhas – sobre a direção, horizontes ou convicções.

Vejo que esta busca jogou-me em profundos confrontos nos campos da essência, onde muitos silêncios se apresentaram incontornáveis.

Almejar um patamar ideal de clareza exigiu-me um processo exaustivo de constante racionalização das coisas e do exercício de consciência sobre tudo.

Tudo. O tempo todo.

Fatos, sentimentos, percepções. Pessoas, memórias, escolhas. Nada escapava da esteira da razão e da elaboração de significado. Uma produção de multiplicidades infinitas do pensar, do refletir, e observar.

_

Sete anos de muitos silêncios.

Pergunto:
seria a busca por clareza mais uma ilusão de controle?

Eu não sei.
Talvez o excesso de mente ora externalize incertezas.
mas eu não sei.

_

Para novos ciclos, talvez deseje ter coragem.

Coragem para agir sem sequer saber o resto desta sentença; para confiar, apesar do não saber.

Coragem para aceitar a impermanência que há em tudo o que é vivo. E, gradativamente, abrandar este impulso artificial de dominação sobre a vida.

(Já pensou sobre isso?)

Ter coragem para aprender – e inclusive a permitir – um viver mais leve, liberto da insustentável procura por amparo em rastros de certezas.

(Será que é possível?)

Coragem para reconhecer que há, nesta natureza que nos rege, um pulsante fluxo de vida – que vai além da ambição da minha compreensão, muito menos controle.

Para então,
em conformidade, seguir..
– encorajado
ainda que
incerto de clareza.

(Marcelo Penteado)

Ao que é bem-vindo

A arte que nasce em mim toma forma em si e ganha vida em ti.
janeiro 2022
S T Q Q S S D
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
%d blogueiros gostam disto: